Posted By on Ago 23, 2021

Textos por Oeiras
– O fantasma de Dona Simoa Godinho anda por Oeiras

EMACO


Textos por Oeiras
– O fantasma de Dona Simoa Godinho anda por Oeiras

Autor: Fernando Lopes

Numa cálida tarde de Agosto, um avião fazia-se à pista do Aeroporto Humberto Delgado. Apressados, os passageiros depararam-se com uma greve dos SEF que os fez esperar em filas intermináveis. Muitos estavam em trânsito para outros destinos. Poucos, passado o aborrecido contratempo, acabaram por sair e procuraram transporte que os levasse aos seus destinos. Uma mulher, vestindo algo vintage, destacava-se pela postura nobre e traços de uma beleza afro-europeia que a notória idade parecia não esconder. Atónita, perguntou por um transporte para as Portas do Mar. Um taxista solícito, indicou-lhe o próximo carro de praça, enquanto lhe dizia que ainda sabia onde era a Ribeira! Mas as Portas do mar? Dúvida que o GPS resolveria. Pálida, a passageira parecia confusa. Chegados ao Cais do Sodré, de que se recordava de nome, pediu que a levassem às suas terras do Reguengo de Oeiras. Queria visitar um Convento de Freiras que ficava na sua antiga quinta de Laveiras. Sim, ali para os lados de Caxias, responder-lhe-ia o taxista, alegando conhecer bem o local. Fora lá que aprendera a ser homem e onde tirara um curso de encadernação hoje inútil. Certamente tivera os bondosos arrábidos por mestres. pensou a passageira. Afinal não dera por mal empregue os milhares de reais que doara à Misericórdia de Lisboa para construção do Convento e sustento dos frades. No caminho recordou-se da capela que encomendara a Mestre João de Ruão, para ficar naquela Real Instituição, perto do Paço da Ribeira, e onde repousariam os ossos de Luís de Almeida, seu saudoso marido.
Num ápice, como se fossem várias as parelhas de cavalos que arrastavam a sua carroça, chegaram às terras de El Rey e suas, por aquisição e mercê do malogrado D. Sebastião que a fez morgada da Laranjeira, em São Tomé. Reparou nas gentes de diversas origens que se atravessavam nas ruas. Certamente o negócio de cativos continuava florescente, observou para si mesma. Por ali estariam muitos dos descendentes que foram seus servidores, traficados da Mina, alguns por si alforriados. Afinal, eles haviam feito a sua fortuna, trabalhando no Reyno, nas suas fazendas de ouro branco das Ilhas da Guiné ou, muitos mais, na mercancia com os brasis e as índias de Castela.
O crepúsculo anunciava a chegada da noite, quando a viatura estacionou frente a uma Igreja imponente. O condutor esclareceu Dona Simoa Godinho, de seu nome, que aqueles edifícios eram a antiga casa dos monges cartuxos. Que estes há muito haviam abandonado o Mosteiro que, depois de quinta agrícola, fora quartel, depois centro de reeducação e por fim escola. A cerca e o Mosteiro haviam sido entregues recentemente à Câmara de Oeiras para reabilitação e restauro, por forma que se respeitasse a Memória e a História daquelas paredes.
Um barulho audível parecia provir do Claustro Maior. Não, não era de um coro entoando vésperas, mas antes de algum espectáculo bem mais mundano. Que estranho naquele local, pensou a devota senhora, temente da Santa Igreja e da sua Inquisição que se obrigara a respeitar, doando e recebendo a absolvição por missas perpétuas e por dedicação das suas donas merceeiras.
– Então, apesar das máscaras, não acha bem melhor? Perguntou-lhe o condutor. Não obteria resposta, pois a passageira já não estava ali. No banco de trás, agora vazio, restava uma moeda reluzente. Mais tarde, juraria aos seus colegas da praça que tinha feito aquela corrida até Caxias. E que a prova estava no taxímetro e não no piloto automático.

4 Comments

  1. Gosto mesmo! QUANTO MAIS NÃO SEJA PELA ACTUALIDADE e pela riqueza do texto!!!!

    Post a Reply
  2. Gostei, gostei mesmo muito.
    Oxalá mais fantasmas nos visitassem e nos recordassem que nem tudo correu mal neste reino. Tivemos um passado com valores de referência humanista, assim como tivemos coisas menos bonitas ou mesmo feias.
    Quais os povos que não tiveram esta dualidade?
    Foi a história e essa aconteceu, ninguém a pode mudar.

    Post a Reply
  3. Uma forma muito interessante e imaginativa de nos “contar” história!
    Obrigada
    Helena Bragança

    Post a Reply
  4. Obrigada, gostei de ler. Luísa Leiria

    Post a Reply

Responder a Luisa Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.