Posted By on Abr 17, 2020

Quarentena Assintomática – XVI

EMACO


Quarentena Assintomática – XVI

Autor: José d’Encarnação

Os vizinhos

            D. Lurdes morava paredes-meias com o professor.

            Quando se encontravam, era habitual o «Olá, vizinha, como vai?», «Olá, vizinho, bom dia!».

            Um dia, porém, o professor tomou posse como Presidente da República. Dias depois, ao reencontrá-lo, D. Lurdes ficou atrapalhada, porque não sabia como falar-lhe. O professor apercebeu-se da atrapalhação e saudou:

            – Olá, vizinha!

            E ela respondeu como dantes:

            – Olá, vizinho, como vai?

            E riram-se, num cumprimento amigável.

            A história é real, como facilmente se compreende.

            E conto-a em pleno auge da pandemia do coronavírus, quando imagino – como todos, decerto – que a História futura, caso a Humanidade consiga sobreviver, terá a partir de 2020 uma nova cronologia a. C. e d. C., em que o C. significará não Cristo mas Corona. Vamos, não há dúvida, alterar por completo o nosso paradigma de vida, dar muito menos importância a pormenores que ora vemos serem de nenhum interesse e dar muito maior importância a outros, como este da vizinhança.

            Um amigo meu, por sinal poeta com obra publicada, já com a provecta idade de mais de 80 anos, «desapareceu do mapa». Perguntei por ele aos vizinhos e amigos mais chegados, porque não atendia telefone nem telemóvel nem respondia ao correio electrónico. Sabia-se que ele tinha um filho, que por sinal nunca se vira. Perguntei na Junta de Freguesia com a qual ele amiúde colaborara. Ninguém sabe do senhor! Vagamente, que foi para um lar. Desconhece-se qual, desconhece-se o contacto do filho… E todos estamos com pena de não lhe poder falar, dar-lhe quiçá uma palavra de alento. Se calhar, até já faleceu e ninguém disse nada!

            No tempo dos Romanos, os habitantes de um «vicus», a aldeia, eram os «vicini», os vizinhos. De «vicus» veio «beco», passagem estreita. Não são becos as nossas aldeias e bairros, mas essa prístina ideia de proximidade deve continuar a prevalecer. Não apenas na saudação matinal «olá, vizinha!» mas no facto de termos de todos os vizinhos e eles terem de nós os necessários contactos, para mantermos estreitas as relações em tempo de… pandemias! E não só!

                                                                       José d’Encarnação

Publicado em Noticias de S. Braz [S. Brás de Alportel] nº 281, 20-04-2020, p. 15.

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.