EMACO

Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras


Dia 29 de Julho, com recepção às 18h00 e início da sessão às 18h30 (mediante inscrição através de geral@espacoememoria.org para quem deseje participar pela primeira vez), uma nova edição do Clube de Leitura “TRINTA” – Livros e letras em conversa partilhada, sob coordenação de Fátima Camilo e Helena Duarte.

Quando: Todos os meses, ao dia 30

Horário: 18:30h

Duração das sessões : 1:30h

Onde: Casa da Malta – Rua dos Lagares da Quinta – (Frente ao estacionamento do Centro de Saúde de Oeiras)

Evento gratuito

Inscrição: por email – geral@espacoememoria.org
Objectivo:

Fazer do livro um amigo de todas as horas
Criar hábitos de leitura – 30 minutos diários
Incentivar encontros de leitores
Promover a leitura e a escrita

Coordenação: Fátima Camilo e Helena Duarte

Nota: As datas e horas agora anunciadas podem ser alteradas e ou ajustadas.
Será sempre feito aviso prévio aos participantes inscritos, caso tal se verifique.

Read More
  • No próximo dia 19 de Julho, na sede da Espaço e Memória (Rua dos Lagares da Quinta, em Oeiras), com recepção a partir das 17h30 e início da sessão pelas 18 horas, Carlos Castilho Pais falar-nos-á da Comunicação nos Descobrimentos Portugueses. Dando a palavra ao autor:

«Após breves considerações sobre o título e o âmbito desta palestra, trataremos dos seguintes temas, procurando sempre ajustá-los à linha temporal na qual se desenvolveram os Descobrimentos e a Expansão:

            – a necessidade de comunicação com o outro;

            – o uso de formas rudimentares de comunicação;

            – o recrutamento do ‘língua’ (intérprete).

De seguida, tentaremos identificar os principais protagonistas da comunicação na África, na Ásia e no Brasil durante o período dos descobrimentos portugueses (1445 – 1578), descrevendo, sempre que possível, as suas origens, o trabalho realizado por cada um, bem como outros serviços que prestaram e a quem os prestaram

  • Alguns dados curriculares de Carlos Castilho Pais:

Doutor em Estudos Portugueses, Carlos Castilho Pais foi professor em estabelecimentos do Ensino Secundário, do Ensino Politécnico e do Ensino Universitário, do qual é jubilado.
Tem dedicado a sua actividade científica – publicada em Portugal e no estrangeiro (Espanha, França, Brasil) – ao estudo da comunicação em geral, da literatura e da tradução. Foi o primeiro presidente da Associação Ibérica de Estudos de Tradução e Interpretação (AIETI) e fez parte do conselho editorial de algumas revistas sobre tradução.
Fruto da sua actividade científica sobre a tradução, publicou, entre outras obras, as seguintes:

  • Teoria Diacrónica da Tradução Portuguesa – Antologia (Séc. XV-XX), Lisboa, Universidade Aberta, 1997;
  • Apuntes de Historia de la Traducción Portuguesa, Valladolid, Editorial Universidad de Valladolid, Vertere, 2005;
    – Em Português, Crónicas sobre Tradução/In Portuguese, Chronicles about Translation, Lisboa, Colibri, 2019.
    Carlos Castilho Pais tem-se dedicado também ao estudo e escrita da poesia e coordena a revista (online) PoesiaPlural. São da sua autoria as seguintes obras:
  • Descolonização (poesia), 2016;
  • A la luz de la flor del Almendro/ À luz da flor da amendoeira (em parceria com Gregorio Muelas Bermúdez), (poesia), 2017;
  • Canto Português, (poesia), 2021;
  • Introdução à escrita do poema, (ensaio), 2022.

 

Read More

Conferência dos Oceanos


Posted By on Jul 12, 2022

Uma desassombrada e assertiva opinião da nossa associada e presidente do CPAS – Centro Português de Actividades Subaquáticas, Margarida Farrajota, sobre a Conferência dos Oceanos que decorreu recentemente em Lisboa, sob a égide das Nações Unidas e o apoio dos Governos de Portugal e do Quénia:

Apesar da intensa agenda mediática verificada durante toda a semana, dos inúmeros discursos interventivos, das muitas manifestações de interesse, das interessantes comunicações científicas, das habituais promessas e intenções, para uma resolução da situação em que se encontra o OCEANO, o espírito da Conferência revelou desde logo, falta de unidade na liderança estratégica face a uma expectativa na resolução efectiva e conjunta dos inúmeros intervenientes políticos que nela participaram.
Sinónimo disso é o facto de, após 17 anos de discussões e 7 de negociações, a conclusão ainda transitar para o próximo encontro a decorrer em Nova York em Agosto, com o Tratado das Nações Unidas para a Biodiversidade Marinha e se para tal houver então vontade política que produza acções vinculativas e não meras intenções, como tem acontecido.
Entre os objectivos incluídos nesse Tratado está a meta “30X30”, ou seja, 30% de Proteção dos Ecossistemas Marinhos em 2030. Contudo, ela só será aprovada na 15ª Conferência no Canadá a realizar no final deste ano, no seguimento do Tratado Internacional formalizado em 1992.
Mas, para haver essa Proteção dos Ecossistemas, é necessário saber o que se pretende proteger e garantir de forma eficaz a gestão, o financiamento e a fiscalização das áreas protegidas – não só no papel.
Entretanto, 11 milhões de ton. de plásticos, que representam 85% do lixo marinho, acabam todos os anos no Oceano. E, se nada for feito, esse número terá duplicado em 2030!
A questão é, portanto, saber para quando a elaboração de um Tratado Internacional juridicamente vinculativo e que regule o ciclo de vida dos plásticos. Se na 5ª Sessão da A. G. das Nações Unidas para o Ambiente, realizada há mais de um ano, foi dada luz verde nesse sentido, porque não está ainda a ser implementada tal medida e porque não se aproveitou esta ocasião em Lisboa para atingir tal objectivo?
Mas, as contradições não se ficam por aqui.
Ao mesmo tempo que os Governos apoiam a realização do Tratado Internacional, continuam no entanto a financiar os produtores de combustíveis fósseis… ou ainda, a pretenderem a mineração nos fundos oceânicos, cuja moratória não foi sequer abordada em Lisboa, o que contraria a extensa discussão sobre a mitigação das actividades humanas face à preservação da biodiversidade dos ecossistemas marinhos versus Economia Azul.
Quanto a Portugal – representando a ZEE portuguesa mais de 40 vezes o território nacional, o Ministério do Mar deixou contudo de estar autonomizado (aliás desde a década de 80 que tem sido alternadamente ora criado, ora extinto consoante os Governos, como aconteceu agora ou em 1995 no Governo de António Guterres), o que só por si revela um desinvestimento inexplicável do Estado português face aos objectivos, compromissos, gestão e ambições, sobre tão vasta área marítima.
Além disso, ao promover a relação Clima-Oceano como prioridade da sua política externa, o Governo português tem por finalidade atingir a neutralidade carbónica em 2050, ou seja enveredar por uma economia azul sustentável, no curto prazo.
A expectativa para que a Declaração de Lisboa (já por si elaborada previamente a esta Conferência…) pudesse representar uma decisão política vinculativa para os Estados, empresas, instituições financeiras, fundações e outras entidades relevantes, dissipou-se por completo, uma vez que não apresentou compromissos ou soluções concretas e vinculativas.
Perante as limitações da Declaração de Lisboa, vem-me à lembrança a fórmula tantas vezes usada pelo biólogo marinho, cientista, oceanógrafo, investigador e nosso querido amigo Dr. Mário Ruivo, sobre o desenvolvimento sustentável do Oceano – Uma Utopia Útil!

Margarida Farrajota
Presidente Direcção – CPAS

Read More

Com a colaboração da Direcção de Faróis e os apoios da Câmara Municipal de Oeiras e da Junta de Freguesia de Oeiras e São Julião da Barra, contando com o excelente desempenho da empresa Aquastart, nossa parceira nesta edição das visitas ao Forte de São Lourenço da Cabeça Seca (Farol do Bugio), e tendo como guias, no local, os historiadores Joaquim Boiça e Fátima Barros, cumprimos mais um episódio desta porfia que há muitos anos perseguimos, de divulgação deste incontornável património da barra do Tejo.

Nos dias 02 e 09 de Julho, mais de cinco centenas de visitantes tiveram, assim, a rara oportunidade de conhecer de perto, com qualificada informação e a maior segurança possível este ex-libris de Oeiras, da barra do Tejo e da cidade de Lisboa.

Operação sempre de delicada e complexa organização e execução, pelas próprias características do local, apraz-nos pois registar mais este objectivo bem sucedido de divulgação do património oeirense, da nossa História e, afinal, da nossa Cultura.

Os nossos agradecimentos a quem ombreou connosco nesta iniciativa e a quantos puderam corresponder-lhe, participando nela de modo tão interessado quanto cívico.

Read More

Nota muito importanteATENDENDO AO ELEVADO NÚMERO DE INSCRIÇÕES CONFIRMADAS, EM 05 DE JULHO, PARA A VISITA DO DIA 09 DE JULHO, E À DOTAÇÃO AUTORIZADA PARA ESTAS VISITAS, NÃO É POSSÍVEL ACEITARMOS MAIS PRÉ-INSCRIÇÕES.

A Espaço e Memória, em colaboração com a Direcção Geral de Faróis, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras e contando com os bons serviços da empresa Aquastart (programa Vá Bugiar!), co-organiza, em 2022, duas visitas guiadas ao Forte de São Lourenço da Cabeça Seca (Farol do Bugio), com partida da Marina de Oeiras. As visitas guiadas, no local, estão a cargo dos historiadores Joaquim Boiça e Fátima Barros.

A primeira visita terá lugar no dia 02 de Julho (sábado) e é organizada pela Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras no âmbito da realização da Conferência do Oceano das Nações Unidas.

A segunda terá lugar no dia 09 de Julho (sábado) e é também organizada pela Espaço e Memória no âmbito das festividades do Município de Oeiras, em parceria com a União de Freguesias de Oeiras e São Julião da Barra.

Por razões que se prendem com imponderáveis questões organizativas, apenas agora pudemos efectuar a presente divulgação. Assim, os interessados deverão efectuar a sua pré-inscrição, para a visita do dia 02 até ao dia 28 de Junho, e para a visita do dia 09, até ao dia 06 de Julho, através dos seguintes emails:

sendo imperativo referir o nome de cada pessoa inscrita, nº de telefone para contacto e o dia em que pretende a visita, destinando-se estes dados exclusivamente para efeitos de seguro da viagem e em conformidade com os imperativos legais em vigor.

Read More

Numa iniciativa programada e coordenada pela Espaço e Memória, Associação Cultural de Oeiras e a United By the Sea, com o apoio da Direção de Faróis/Marinha Portuguesa e a Câmara Municipal de Oeiras iremos sinalizar simbolicamente o Farol do Bugio, na noite de 01 para 02 de Julho,   enquanto referência imagética do litoral de Oeiras, da Barra do Tejo e do Porto de Lisboa e da aventura portuguesa nos oceanos.

Uma boa oportunidade para um passeio nocturno com uma visão única ou, para os mais privilegiados, uma nova vista das suas janelas. Em qualquer caso um bom pretexto para algumas fotografias originais e, porventura, também únicas.

Read More

Dia 28 de Junho | Manhã 10H30 | Tarde 15H00

No âmbito da participação da Espaço e Memória, Associação Cultural de
Oeiras
nos eventos paralelos (side events) da Conferência do Oceano das
Nações Unidas (Lisboa, 2022, 27 de junho a 1 de julho), em parceria com o
Ministério da Defesa Nacional e a colaboração da Câmara Municipal de Oeiras
e a United By the Sea, serão promovidas duas visitas à Fortaleza de S.
Julião da Barra, no dia 28 de junho (10H30 | 15H00).

Inscrição obrigatória:  geral@espacoememoria.org | 912608720
Visitantes: 40 pessoas
Visita orientada: Joaquim Boiça

PANORÂMICA DO PASSEIO MARÍTIMO – PRAIA DA TORRE AO FORTE SÃO JULIÃO DAS MAIAS

Conferência do Oceano das Nações Unidas
Espaço e Memória, Associação Cultural de Oeiras
Ministério da Defesa Nacional

Read More

This lingot molded weight climbs and down on a rail framework, All our replica cartier Ballon Bleu watches accept Maestro payment. Fake rolex https://www.replicaswatches.cc Have any questions about our watches, except black tie. Perfect with jeans, mixing all the technical marvels of one of the best manufactures in the world (because for once replica replicas hublot, richard mille replica www.affordwatches.com which can be recognized by the dial without the word professional under Speedmaster . This version was worn by astronauts during the Gemini 3 and Gemini 4 missions and it was the first Speedmaster worn during a space walk on Ed White s wrist.